quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

SENTADO NA PRAÇA













Eu sempre volto ao meu passado, sempre volto a minha cidadezinha,
Ontem passando por lá, avistei um amigo de infância sentado na praça.
Recordei de antigas conversas, antigos medos, de antigas frustrações.
Ele, enquanto vivíamos juntos, transbordava hesitação em viver a vida.
Não amou, com medo de não ser amado, fugiu do risco da entrega,
tinha pavor da incerteza do talvez, não sentiu o calor de uma outra alma.
Não casou com medo de ser abandonado, resolveu sentir o frio da solidão,
tinha receio de roubar um beijo, e sentir o suor da outra pele em desejos.
Não esboçou um abraço, um afago, não deu carinho e nem recebeu.
Parece-me que se abraçou tanto, que não soube abrir suas próprias asas.
Não saiu de lá, com medo de se perder pelos caminhos e não saber voltar.
Ficou sentado na praça...
Quando sentei ao seu lado, buscamos à memória, surgiu nossas historias,
abri o livro da minha vida, por analogia, a minha não foi melhor que a dele,
nem a dele melhor que a minha, cada um viveu a sua vida, teve sua trajetória.
O que na verdade nos diferenciou foi as paginas do livro da minha vida,
cada folha que passava estava repleta de palavras, parecia um rascunho,
como sempre andei no limite do risco, errei muito, usei muito a borracha,
apaguei, rabisquei, desenhei, projetei, retirei algumas paginas,
amassei outras, enfim tentei tantas vezes que perdi a conta, nunca desisti.
Estou escrevendo a minha historia...
O meu amigo não quis abri o livro da sua vida...acho que está em branco.
Estamos envelhecendo, eu e ele, nossos cabelos já estão brancos,
nossas rugas já acentuadas tornaram-se visíveis no rosto.
Notório é a manifestação do tempo... em mim pela luta, nele por medo.
Ari Mota

5 comentários:

Lara Amaral disse...

Já rasguei algumas páginas. Outras, no entanto, pretendo nem precisar rabiscar.

Sempre bom ler suas sábias palavras.

Abraços.

Sonhadora disse...

Ari
Belo texto de vida.
Eu já rasguei também algumas páginas...quem não rasgou.
beijinhos
Sonhadora

Carmem L Vilanova disse...

Novo amigo Ari,
Venho agradecer-te o carinho e a ternura demonstrada pela passagem do meu aniversário!
Foi realmente um dia feliz, principalmente por poder contar com tua amizade!
Beijos, flores e meus eternos sorrisos!

Elaine Barnes disse...

Olá! Agradeço a visita. Tb achei lindo o texto aqui, que fala das defesas de cada um diante da vida, alguns se defendem exercitando acertos e erros, outros com medo, evitam acertar e errar, o medo os coloca em cima do muro.Cada ser tem syuas travas em algum ponto, uns no profissional, outros no emocional, outros ainda em se arriscar. Enfim,ninguém é melhor que ninguém somos resultado na nossa própria história, bjs

Ana Lúcia Porto disse...

Ari!!

Lindos são os seus textos...

Perdoa-me por ausente me fazer. Estou em dívidas com muitos... Contudo, creio que essa eventualidade seja mesmo compatível de bloguistas.

Adorei o fato de você ir tomar um café e bater um papinho comigo,
Beijos e um grande abraço, meu mais novo querido amigo,
Ana Lúcia.
PS: Muito feliz por lhe conhecer.