sábado, 5 de dezembro de 2009

AMIGO




















Tenho um amigo, que o encontro uma vez ao ano.
Moramos distante um do outro desde a juventude.
Embora tão distante e com encontros anuais,
ele é meu melhor amigo, acredito ser eu o seu também.
Nunca fui em nenhuma festa em sua casa, nem ele na minha.
Nunca perguntei a ele as coisas que amealhou, nem ele a mim.
Nunca me abordou com indiferença, nem eu a ele.
Das minhas conquistas quase não teve conhecimento,
e eu também não tive com as dele.
Quando o meu pai foi viajar, quando transformou-se em universo,
ele estava ao meu lado.
Quando o dele também se foi, colhi suas lagrimas,
como vez com as minhas.
Ao longo de nossas vidas nunca distribuímos desafetos,
houve sempre apreço um ao outro, a deferência era recíproca.
A distancia e o tempo inexiste entre nós.
Quando meninos, pactuamos um ser sempre amigo um do outro.
Nossa amizade ultrapassou o tempo, ou nossa meninice não passou.
Não fomos contaminados com a rudeza do cotidiano.
Ficou a inocência da juventude.
A pureza do encontro.
A certeza que um ampararia o outro nos momentos mais difíceis.
Entre nós dois existe uma coexistência de almas.
Como o destino tem nos brindado com momentos de felicidade,
não nos convocou ainda para um socorrer o outro.
Tenho um amigo...
Independente da distancia e do tempo.

Ari Mota

3 comentários:

Sonhadora disse...

Ari
Tenho um amigo...
Independente da distancia e do tempo.
Muito belo.
Beijinhos
Sonhadora

claudete disse...

A verdadeira amizade é representada pelo encontro de almas irmãs como você bem colocou. Sempre existe aquele amigo(a) com qual mais nos identificamos independente da distância e do tempo. É para sempre mesmo!
semana fértil para você.

Lara Amaral disse...

Ah, tenho uma amiga assim. Como é bom!