sexta-feira, 6 de novembro de 2009

RESISTÊNCIA
















Em retrospectiva... minha vida,
tem a forma de uma batalha.
Foi vivida cada luta,
cada dia.
E em cada amanhecer colhia os cacos.
E as pressas preparava-me para a próxima luta.
Embora não designado,
transformei-me em soldado de Infantaria.
Foi necessário estar no front.
Olhava diretamente nos olhos do inimigo,
e foram muitos, uns corajosos, outros tantos ...covardes.
Não sabiam a beleza da luta, a nobreza da derrota,
e tão pouco como é insignificante a vitória.
Lutavam para destruir, não para crescer.
Cresci neste tempo.
Época de escassez.
De solidão.
De enrijecimento da alma.
Mas, como soldado de infantaria,
Quebrei todas as pontes que passei,
para jamais voltar ou ser alcançado.

Ari Mota

2 comentários:

Dilean de Bragança disse...

'Quebrei todas as pontes que passei,
“ para jamais voltar ou ser alcançado”.

Meu amigo, que demais!!! Obgda pelo carinho da visitinha. Bjus poéticos!

Bruno disse...

Oh… meu soldado de infantaria
Dias frios e de solidão ao lado de tua amada,
Com certeza fizeram de vocês pessoas mais humanas.
Com orgulho,
Sou fruto dessas batalhas.
Beijos e abraços.
Bruno Mota