sábado, 21 de novembro de 2009

O ANDARILHO









Na minha cidade tinha um andarilho,impar.
Perambulava pelas ruas, e pela vida.
Estava em todos os lugares, silenciosamente.
Carregava um enorme mistério,
e o único sentimento que podíamos perceber,
era em sua face, tinha um sorriso eterno.
Não esboçava nada além de um sorriso,
ria de tudo, a impressão é que ria de todos.
Não o víamos alimentando,
tínhamos a impressão que se alimentava de luz.
Como as pessoas perderam o sorrir,
isso o fazia diferente...era pura alegria.
Somos perversos com quem difere da massa,
na verdade olhávamos para ele com desdém.
Tínhamos diplomas,posses e relacionamentos.
E ele só tinha aquele sorriso e alguns amigos:
Sempre um cão e algumas borboletas.
Além do sorriso, tinha a fidelidade dos amigos.
Mas um dia ele teve que partir.
Morreu sem atendimento no hospital...sorrindo.
Quem chorou de saudade...
Foi o seu cão e algumas borboletas.

Ari Mota

5 comentários:

Juliana Lira disse...

Mas ele não chorou, se foi com um sorriso eterno!E nós que temos tudo na verdade só queriamos aprender a sorrir assim...

Milhões de beijos

Ana Lúcia. disse...

Somos andantes... por vezes
confiantes...
sempre seguidos
pela luz do sol
pela vida da lua.
Líndíssimo seu blog.
Parabéns, e obrigada pela visita.
Abraços.

Paula Figueiredo disse...

Lindas as palavras... Lindo o blog! Estou seguindo! Obrigada pela visita em meu blog! Voltei sempre! Beijos!

Marcello disse...

Olá...

Obrigado pelas palavras, seus escritos são ótimos, virei seu seguidor.

Se quiser linkar o meu blog no seu, farei o mesmo.

Grande abraço.

claudete disse...

Pois é , não é sem um fundo de verdade que os animais são fiéis até à morte. Muito lindo o conto real. Você soube captar o momento e dar-lhe a sensibilidade poética exigida. Abraços.