quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

OUSAR



Cometa uma ilicitude contra o tempo,
aposse todos os dias de uma parte do silêncio,
apodere-se invariavelmente de uma parte do seu dia,
roube algumas horas de sua existência,
furte um período de sua vida,
para você ficar com você.
E depois...
Desabilite sua alma da rispidez do cotidiano,
desarme-a do confronto inevitável do subsistir,
desligue-a por algum tempo da insensatez humana.
E depois...
Há... e depois... saia por ai... tente voar,
se não conseguir... tente correr.
Se por ventura... nem voar e nem correr,
feche os olhos... sinta o perfume da flor,
Roube de uma boca proibida... um beijo.
Ouse... e ouça uma linda melodia...
Dance na praça com uma louca bailarina,
ou cante uma linda canção de amor.
Desabilite sua alma da rispidez do cotidiano,
atreva... a ser feliz.


Ari Mota



5 comentários:

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Ari, preciso seguir isto que voce escreveu a risca.
Nada mais poderoso do que palavras ditas na hora certa.

Obrigada

Carmem L Vilanova disse...

Amigo Ari,
Voce e' mesmo, um mestre das palavras... Excelente texto!
Estive por 4 dias sem conseguir comentar em nenhum blog, pois o blogger não permitia, sequer, a minha entrada em minha conta, mas agora, com todos os problemas técnicos resolvidos, cá estou para deixar meus eternos beijos, flores e muitos sorrisos!

Eu Sei Que Vou Te Amar
Viver Integral

Marcello disse...

Ari...

Estou seguindo seus conselhos nesse poema tão belo, roubando de uma boca proibida o beijo que me liberta e tentando cantar os versos dos seus poemas....

Ótima semana para você.

Nara Sales disse...

Ser feliz é a maior ousadia do homem desde todos os tempos.

Juliana Lira disse...

Ari

Esse poema me deu uma vontade de tão grande de viver...Simples assim: VIVER!
Me agarrar a qualquer traço de vida e sair por aí dançando, cantando rindo, deixando as tristezas pra trás.E quem sabe depois de muito correr, finalmente, conseguir novamente voar...


Milhões de beijos