sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

O HOMEM E O PLANETA


Em algum momento do passado, foi nos concedido a terra para nossa existência,
na verdade, ela é nossa nave para esta viagem nos caminhos do universo,
e como se não bastasse foi nos ofertados também o livre arbítrio e o tempo...
Teríamos o poder da decisão e um período para executar nossa missão.
Teríamos que evoluir e como um cavaleiro seríamos eternamente o seu mantedor.
Sustentaríamos essa nave com toda a sua beleza e força, seríamos os seus guardiões.
Com desvelo, olharíamos para os rios, para as borboletas, para os gafanhotos, e o jequitibá.
Não iríamos interferir no ecossistema, nem na individualidade das pessoas... nem na alma.
A liberdade nasceria no gesto, nas palavras, na crença e na ideologia... não teríamos fronteiras.
Respeitaríamos as diferenças, o maior e o menor... conduziríamos com harmonia nossas vidas.
Mas, o tempo passou... desconstruímos o que nos foi dado como baliza... perdemos o foco.
Tornamo-nos predadores, subjugamos o bem em remição ao mal... barbarizamos o existir.
Negamos com mesquinhez a gentileza de servir, com sentimento vil, menosprezamos o doar,
e com olhares de desdém não sentimos a dor do próximo... individualizamos o repartir.
Ficamos menos humanos... temos que reinventar alguns sentimentos e criar outros.
Há uma nova era aproximando... um novo realinhamento.
O homem carece de rever suas atitudes e consciência.
Buscar dentro da própria alma... sua fé.
Realinhar seus sonhos e seus amores.
Reinventar a verdade... e o bem.
Retomar sua evolução e a do planeta.

Ari Mota


3 comentários:

Sonhadora disse...

Ari
Belo texto...muito oportuno e verdadeiro.

beijinhos
sonhadora

Andresa disse...

Ola Amigo
O ser humano nunca tem consciencia do que faz....
E quando as coisas acontecem ... ai aquela famosa frase:
Ha..se eu tivesse......!!!!!!
Mas ai é tarde.

E quem paga com tudo isso? Com o que cooperou com seu planeta junto com o que não fez caso.

OS politicos nao podem fazer milagre, se cada um de nós nao fizermos nossa parte

Bjs
Andresa

Ana Lúcia Porto disse...

É triste e doloroso ver a natureza se rebelando, gritando por ajuda...

A fúria da natureza é um grito para que o ser humano a preserve, caso contrário, ele morrerá junto... Ela está avisando, é preciso ouvi-la, tomar consciência.

Beijos,