domingo, 28 de fevereiro de 2010

A LÂMPADA E A VIDA


A vida por analogia... parece uma lâmpada acesa,
com correntes elétricas que flui continuamente do positivo para o negativo,
e que incandesce um filamento de tungstênio, e se faz luz.
A vida por analogia... tem suas correntes elétricas,
que as chamo de sentimentos, e são positivas e negativas,
e que incandesce a alma, e também se faz luzir.
A vida por ser demais... oferece-nos o livre arbítrio,
e teremos que pautar nossa trajetória em dois caminhos,
um... vamos delinear a intensidade do amor, e da doação,
o outro... vamos expor nossa consciência nociva e nosso desamor.
E a vida vai nos recepcionar conforme nossa apresentação,
poderemos assumir qualquer dos papeis, no teatro da existência.
A vida na verdade, será sempre uma lâmpada acesa,
e a escolha será sempre nossa... construir ou desconstruir.
A lâmpada terá uma vida útil, e após... a jogamos no lixo.
Nossa alma é infinita, imortal, jamais poderemos desfazer-se dela,
e o filamento que a faz incandescer-se, chama-se consciência.
A vida por analogia... parece uma lâmpada acesa,
e que nosso foco possa ampliar e iluminar vidas,
e não permitir a escuridão a quem quer que seja.
Que nosso foco ilumine o amor,
a tudo e a todos.

Ari Mota

3 comentários:

Maria disse...

maravilhoso o su poema. uma visão clara do ser-humano.É ISSO, ESTAMOS AQUI, NESSA PASSAGEM,PARA DOARMOS O MAIOR SENTIMENTO: AMOR.

Marcello disse...

Ari.

Genial como sempre.

" nosso foco possa ampliar e iluminar vidas"

Esse deveria ser o objetivo de todos os escritores e poetas.

Sonhadora disse...

Ari
Muito bom o teu texto.
passei para deixar um beijinho

Sonhadora