quarta-feira, 3 de março de 2010

VOAR




Se porventura em uma dessas curvas da vida...
um abismo surgir em sua frente... não se assuste,
é a vida implorando a você uma decisão... talvez a maior delas,
e a um passo do abismo, ela lhe pedir que decida:
Pular ou Voar. Não  hesite...
Se pular poderá cair em território nocivo...
Se voar poderá escolher onde pousar.
E em pulando poderá ir direto ao fundo, ao lodo,
e o sedimento poderá macular sua alma.
E em voando poderá tornar-se livre,
a liberdade será o antídoto da sua existência, estarás em paz.
Se pular ficará prisioneiro do preconceito e da pequenez humana,
serás, refém do medo e da covardia.
Se voar, buscarás horizontes, estarás em expansão,
crescerás,  por almejar a plenitude.
Se um abismo surgir a sua frente não hesite: Pule ou Voe.
Pulando cairás nos braços do medo e ficarás menor.
Voando terás o abraço da ousadia, ficarás do tamanho do universo.
Esses abismos estarão sempre nos caminhos da alma,
e nem sempre te levarão para o fundo.
Na verdade são essências, substancia da vida, natureza das coisas.
São energias que dimensionarão... ódio e amor.
Assim será seu destino, sua caminhada, sua vereda até o fim.
E o ódio nos leva para baixo, o amor nos exalta... nos faz voar.

Ari Mota

6 comentários:

Marcello disse...

Ari.

Só o amor tem o poder de nos fazer livres....

Como sempre, perfeito!!

paula barros disse...

Oi, Ari, é sempre bom ler você, tem dias que é melhor ainda.

Só quando nos damos conta que podemos voar, é que percebemos que olhando lá de cima os problemas ficam menores.

bom dia!

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Ari,

Ousar sim, sem ser impulsivo... E assim poderá alçar vôo...
Delícia de texto...!!

Beijos,
Ana Lúcia.

Sonhadora disse...

Meu querido amigo
adorei o seu texto...muito lindo e bem escrito.

beijinhos
Sonhadora

Denise disse...

Valeu a pena encontrar um tempinho para te visitar, Ari.

Maravilhosa reflexão, poderosas palavras indicadoras de rumo, apontando as escolhas evolutivas, aquelas que fazem a vida valer a pena, pq escolhendo entendemos a sua magnitude...a lição só vem depois, pode tardar, mas não falha.

Adorei! Aplaudo a beleza e a lucidez do poeta!

Canduxa disse...

Como sempre,
meu amigo de além-mar,
um texto com uma grande mensagem.
Quando aprendemos a viver com amor, aprendemos a voar...e como é bom sentirmo-nos livres e pousar onde desejamos.
Afinal se temos o livre arbítrio, porque esperamos?

Uma vez a voar nem com as asas partidas deixamos de o fazer.


um forte abraço