sábado, 31 de outubro de 2009

NÃO EXISTIR











Hoje saí a procura de um olhar.
Minha maior dificuldade, foi encontrar um rosto.
Mas, os que ainda pude perceber,
olhavam-me de diversas maneiras:
Teve olhar de desprezo,
De desdém
De indiferença
De superioridade
De autoridade
De ódio
De desconfiança.
Olhavam-me com medo.
E houve olhares perdidos.
Olhares de solidão.
De sofreguidão.
Mas, também teve os que não olhavam, vagavam.
Perdidos...sozinhos.
Voltei , ninguém olhou-me com amor.
Passar pela multidão e não encontrar um rosto,
não é estar só, é não existir.

Ari Mota

2 comentários:

Sady Mac disse...

Parabéns Poeta.Magnífico Poema e lindo site.Beijos no coração.Sady Mac

LeeK- "aprendiz de sonhador" disse...

ola amigo poeta.
Obrigada pela sua visita, seu elogio ao meu trabalho, fico feliz ..
Comoa vc fala em seus versos.
a procura de um rosto..de uma imagem,
infelismente muitas vezes andamos assustados, receiados,
a violencia já toma conta do mundo lá fora...
Nós pobres mortais enclausurados, refens do medo,. E quando buscamos por rostos,muitas vezes, o que enxergamos são pessoas estranhas, indiferentes umas as outras...
Cada um na sua e no seu vagar...

Abracemos os amigos a familia,são os rostos que nos sobram...

abraços

leek