quarta-feira, 1 de setembro de 2010

REINVENTO-ME

Alterei tanto...
minha forma original,
que quando contemplei o passado, não me encontrei.
Em busca... deparei tão somente com espectros dos meus sonhos,
e pálidas fotografias que em agonia,
revela a face doce de um menino,
que se perdeu... roubaram-lhe a nitidez da inocência,
a limpidez da ingenuidade.
E desde então...
passei da fantasia, do imaginário à eterna luta.
Alterei tanto e de tamanha intensidade que perdi a essência primitiva,
e em sobrevivência adaptei-me aos combates,
entre as derrotas e as vitórias, apaixonei-me pelas duas.
Não desdisse as imposições do destino.
Não repudiei as lagrimas que salgadas,
desfilaram uma a uma para dentro do peito.
Nem neguei o riso quando tive coragem de ser feliz.
Combati a minha própria insegurança,
recusei a entrada do medo quando este me esmurrou,
rejeitei a duvida quando esta me invadiu,
isolou-me na negrura da incerteza,
e fez de mim solidão.
E relutei... sobrevivi a todas as asperezas da existência.
Sou um sobrevivente de mim mesmo.
Fiz da sagacidade um instrumento para suportar as adversidades,
e da elasticidade instintos de compreensão.
Alterei tanto... altero tanto,
que cada instante, procuro-me, e não me encontro.
Sou sempre recomeço, sou hoje, sou reinicio sempre,
reinvento-me todas as manhãs.
E só tenho de obsoleto, arcaico, antigo...
dentro desta alma...
amor.

Ari Mota

4 comentários:

Marilu disse...

Querido amigo, o importante é sempre reinventar-se, não deixar que as agruras da vida nos deixem prostrados. E sempre amanhã é um novo dia e com ele está em algum lugar a felicidade, basta procurá-la...Beijocas

Denise disse...

O amor não muda - talvez se fortaleça.

Desnecessário dizer que adorei...
Bjo, amigo poeta!

Marcello disse...

Sobrevivente de mim mesmo.

Essa frase é marcante, assim como o texto inteiro.

Grande abraço

Anônimo disse...

VC É LINDO,ME APAIXONEI POR SEU JEITO DE ESCREVER E PASSAR TANTO SENTIMENTO E VERDADE PARABENS MEU ANJO,BJSS.VALERIA