sábado, 30 de abril de 2011

SEM VOCÊ


Até tentei...
Já fiz alguns ensaios, já provei o sabor da solidão,
esbocei um projeto de fuga, até uma rota ao meio da madrugada.
Experimentei o gesto do adeus,
e a dor da partida... da despedia em aflição.
A mala por diversas vezes ficou pronta, escondida atrás da porta.
Mas, tudo ficou no desassombro do vazio,
na incerteza de um dia ter que voltar:
Atrás do seu jeito... do seu olhar,
do seu calor que sempre me aqueceu no frio.
Da embriagante fragrância do seu corpo.
Até tentei...
Em desespero... inventei viver sozinho,
fingir amparo sem seus beijos,
abrigo sem seus abraços,
e refugio sem seus desejos.
Já ensaiei a estupidez do abandono,
e até quis abandonar o adeus e partir,
pensei em renunciar o fim, e ir embora,
sem soluço, sem lagrimas, sem despedir.
Até tentei...
Mas... Minha alma, sempre grita... a sua ausência,
esmurra meu peito... te chamando,
querendo seus chamegos,
clamando o seu amor.
Até tentei...
  Não
        consigo 
                     andar
                               sem
                                       você.

Ari Mota

5 comentários:

Nara Sales disse...

Quando o amor penetra no tempo e não nos deixa esquecer de sua essência.

ANA ROOS disse...

Se o coração diz que não é hora de partir, não vá...

Existem coisas que a gente aprende deixando um pouco o orgulho de lado, outras a gente tem criar forças e fazer, mas se sua decisão vai te trazer mais dor que a situação que se encontra, pode ser que ainda não tenha feito tudo, vivido tudo...

As vezes a coragem não está em tomar decisões, mas sim em viver o que se quer viver de verdade!

Beijos no coração

Sonhadora disse...

meu querido amigo

a recordação perdura...o coração não esquece.

beijinho
Sonhadora

Cores da Vida... disse...

Oi meu querido amigo Ari,

É numa dessas ausências que se possui noção do amor que se sente por uma pessoa.

Estava com saudades de passar por aqui. Como sempre, é muito bom!

Beijos grandes e bom domingo,
Ana Lúcia.

Denise disse...

Com sua linda interpretação, Mariah Carey complementa o que, com brilhantismo, vc expõe.
Impossível medir o amor que se sente por alguém, no entanto, é quase palpável sua intensidade - que dá forma ao sorriso ou traça o deslizar de uma lágrima...

Um beijo, meu querido e especial amigo!