segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A JANGADA


Minha morada é de frente para o mar...
Muito embora... esteja a 260 km dele... eu o imagino,
e sua brisa vem passear todas as noites em minha pele,
chuviscar em minha alma,
sua aragem brinca de orvalhar meus cabelos,
em desalinho,
e seu azul vem luzir em meus olhos,
esplendor, delírios, e calma,
suas ondas em fúria e em estrondos,
me desperta em todas as manhãs e me acalenta ao sol,
em vespertino.
E em devaneios lanço minha jangada e saio a navegar,
vou pescar ilusões,
arremessar a minha rede em busca de sensações,
sou pescador de sentimentos.
Navego em temporais, em imensas ondas que me sacodem,
derruba-me a bússola, tira-me o norte,
faz-me perder na negrura da noite, sem medo da morte.
E tudo isso me fascina, o mar é duvida e desatino.
Em metáforas... sou jangadeiro errante,
amante do inusitado, do inesperado alento.
Resisto às tempestades, os vendavais repentinos.
E iço velas em jangadas invisíveis, fujo da solidão lacerante.
Sou jangadeiro em desvario, pescador em desafio,
busco travessias, saio ao mar em busca de aventura,
e faço dele o meu existir, uma procura.
Mas... tudo isso é pura fantasia de poeta,
que pesca emoções,
que pesca em mares revoltos:
a sutileza do riso,
a ternura do abraço
a leveza do encontro.
Saio todas as manhãs em minha jangada,
no mar dos meus anseios.
Pesco amor...
Para lhe dar.

Ari Mota

4 comentários:

Marilu disse...

Querido amigo e poeta, como é bom lançarmos nossa jangada ao mar, pescar ilusões, navegar sem rumo, aportar em ancoradouros de amor. Lindo poema. Beijocas

Ana Lúcia Porto disse...

Marinheiro és e desbravador de mares recônditos..., portanto.

Muito bonito, mesmo.

Beijos e boa semana,

orvalho do ceu disse...

Olá, Ari
Recortei algo lindo para mim:
"Em metáforas... sou jangadeiro errante,amante do inusitado, do inesperado alento."
Vou fazer alusão ao seu Blog no meu:
http://espiritual-poesia.blogspot.com no próximo post. Gostei demais do que escreveu hoje. Obrigado pela partilha.
Abraços fraternos com votos de paz.

Majoli disse...

Ari, boa noite.
Vim agradecer seu carinho lá no Rabiscos e ao chegar aqui me deparo com um lugar delicioso, cheio de sentimentos e emoções.
Nossa, eu amei essa sua poesia "A Jangada", que delícia de devaneio, de sonhos.
Parabéns.
Receba meu carinho em forma de abraço.Tenha uma linda noite.