sábado, 9 de fevereiro de 2013

SONHAR... PARA O SHOW NÃO ACABAR

Bom mesmo foi... que a vida me surpreendeu,
no início, tremi de medo dos descaminhos, da falta de norte,
mais por sorte ela foi intensa, tive todas as emoções.
Morri varias vezes, mais renascia em manhãs de lucidez.
Houve um tempo que a alma em desespero... queria desistir,
abandonar o caminho, me deixar à margem da luta e dos... recomeços.
Bom mesmo foi... que a vida, a minha vida virou um espetáculo,
e fiquei assim... sem tempo de decorar o texto ou refazer as cenas,
e tudo virou improviso, e fiz tudo do meu jeito.
Tímido, subi no palco da minha existência,
fui rompendo o próprio silencio, a própria solidão,
conquistei meus amores, ofereci flores... e amei em teimosia.
Óbvio foi... que em algumas apresentações quase não houve aplausos,
mas... na platéia, sempre sentadas na primeira fila,
uma louca bailarina e duas borboletas, sempre me olham...
como quem me rouba a alma, como quem... continua... continua,
e, é o que me basta... para o show não acabar.
E o show só acaba quando deixamos de encenar nossos sonhos,
e eu os tenho em demasia.
Bom mesmo foi... que a vida me flagrou... quase que perdido.
Eu que sempre tive um olhar de contemplação,
e em assombro contava os astros colados no céu.
Um dia, o destino confiou-me a convivência... de três estrelas,
a primeira chegou roubando-me o coração, e dançando para mim,
as outras duas, já desembarcaram sorrindo e até hoje são assim.
Resplandecem... são felizes, vieram para plantar ousadia,
chegaram com uma força descomunal, maior que o próprio sonho.
Compreendem desde pequenos... a insanidade dos homens,
nada mais os atemorizam, nem as verdades... não ficaram comum,
eu... mais apreendi com eles, do que eles... comigo,
vão ao combate sem demora, adaptam aos temporais,
e sem rodeios enfrentam os vendavais.
Vieram, com uma força na alma que transcende o meu entender,
a sinergia entre nós é tamanha, que por mais distante que possamos estar,
nossas almas vertem-se em afeto e em encontro... estamos sempre juntos.
Eu que achei que passaria por aqui sozinho,
hoje... tenho um universo só meu... com três estrelas.
Bom mesmo foi que a vida... me surpreendeu, de forma espetacular,
nutro sempre a alma de sonho...
só para o show não acabar.

Ari Mota

2 comentários:

Nara Sales disse...

Está muito bem nutrido... de palavras, sentimentos e sonhos. Seus textos sempre me remetem à... Resiliência. Não tinha porque ser de outra forma mesmo, Ari.
Um beijo com muita luz.

Claudete disse...

Olá Ari..."E o show só acaba quando deixamos de encenar nossos sonhos,
e eu os tenho em demasia." somente uma alma resiliente e cônscia das estrelas que consquistou na vida é capaz de continuar sonhando. Lindo!