sábado, 7 de janeiro de 2012

ESCANCARAR O ABRAÇO


É...
O amor tanto que tentou... um dia tomou de assalto a minha alma,
quando ele virou ali na curva do tempo, na esquina do meu destino,
e olhou para mim como se fora roubar-me a solidão,
eu, ainda transportava candura no olhar... e inda era menino,
desconhecia o risco da entrega,
e não sabia lidar com tamanha emoção.
E o amor adentrou como um temporal, uma inundação,
não tive tempo de fugir... nem dele, nem de mim,
só foi possível escancarar o abraço,
e afagá-lo em desatino.
Custou-me... mas irrompeu, desnudou a timidez juvenil de outrora
E meio que sem jeito, me declarei... fui perdendo o medo,
e a temeridade de dizer “eu te amo.”
Certa feita... quase pedi socorro... queria o seu desapego da minha pele,
o seu desgrude da minha essência, do meu existir,
queria devanear sozinho, quase pedi a sua ausência, o seu desatrele,
e ele insistiu... jamais quis partir.
Já... debati em desespero, quase uma vida, e ele não foi embora.
E depois...
Ele foi tomando os meus vazios, incitando os meus desejos,
provocando os meus delírios, invadindo as minhas dúvidas,
foi ficando como uma coisa pegada a mim,
agarrado aos meus devaneios... enraizou para dentro,
cintilou nos olhos, perpetuou no meu riso, e esculpiu os meus beijos.
Hoje envelhecido... pactuei com o tempo, nada me tirar, nem ele.
E antes, que tudo acabe... amo em demasia, em teimosia.
Hoje... mudei a maneira de me declarar,
não mais... grito ao vento, nem ao mundo.
A louca bailarina já não recebe flores, nem “eu te amo.”
Grito em silêncio... abraço com a alma...
que calma,
ama com o olhar.

Ari Mota


4 comentários:

Solange Maia disse...

Ari...

gosto muito de ler blogs, leio textos, e textos, e textos...

este, que acabo de ler, foi um dos mais lindos textos que já li sobre o amor.

tão lindo, tão de todos nós, tão sincero... sem perder a poesia, a mágica...

intertextual, ritmico...

uau !!!

levo comigo (pode?!) e guardo num arquivo chamado "tesouros".

parabéns !!!
auper, super...

beijo grande

Edith Lobato disse...

Boa tarde, caro poeta Ari, faz bastante tempo que não visitava os blogs que sigo, hoje tirei um tempo para fazer isso e vaeu apena ter vindo aqui, tive uma leitura prazerosa num texto belíssimo, bem construido, bem elaborado. Receba meus siceros parabéns.

Canduxa disse...

escancaro o coração
silencio a alma
falam meus olhos...
amo com serenidade
o ser maravilhoso
em que me tornei
já aos 50!
Agora já sei amar
com abraços
com alma.
Abraço o ser maravilhoso
que és, meu irmão,
poeta de além mar.

o meu abraço de luz

Clara disse...

Parabéns pelas lindas palavras.
Amor este que invade nossas vidas sem pedir licença... Ah! O Amor... É tão sublime, tão gostoso, nos revigora, nos transborda, nos dá vida.
É... saudades do tempo que minha mão congelava, meu coração batia a mil por horas e sentia aquela gostosa sensação. Hum...!
Esta leitura me fez viajar!
Puro sucesso!!! Parabéns!!!