quinta-feira, 15 de julho de 2010

O USUÁRIO



Bateu em minha porta um jovem em farrapos,
vazio,o conheci quando criança, o conheci quando ainda inocente,
quando ainda o luzir da esperança brincava em seus olhos,
e resplandecia em sua alma... vida, e festa em seu existir.
Havia esperanças de pais, e sonho ingênuo de filho,
toda uma vida de busca, de combate... ainda por acontecer.

Sem culpa, sem sentenciar... um dia desprendeu-se do nexo,
afastou-se da coerência, perdeu a conexão com a lógica,
e jamais conseguiu voltar para a casa.
Perdeu-se nos labirintos da dependência química,
e jamais encontrou o caminho de volta, perdeu-se no imaginário,
desperdiçou o aprimorar da consciência, o evoluir da essência,
encheu-se de nada, procura em vão o riso, e em desespero a si próprio.
Bateu em minha porta um jovem que perdeu sua primeira luta,
foi vencido pela droga.
Absteve de apresentar seus talentos, mostrar seus afetos,
romper a solidão, amar, virar poeta.
Inerte, vaga pelas ruas, pelos delírios químicos, pelas noites frias,
tornou-se um desnecessário, uma incerteza...
Incomodou-me... não consegui abrir a porta,
não consegui achar saída,
fiquei pequeno,
decresci,
morri mais um pouco,
não tive coragem de fazer por ele
o que faria por um filho.
Morrer.

Obs. E como se não bastasse (Elvis Presley, Jimi Hendrix e Janis Joplin)  
meus ídolos morreram de overdose...

Ari Mota



5 comentários:

Denise disse...

Tema difícil, que bate à porta de nossa realidade, e espiamos pela fresta mal aberta, distante, um vulto - a sombra de quem era. Dor. Lamento.

A sensibilidade de tua alma trazendo à transparência essa tristeza, sem fim...

Beijo

Marilu disse...

Querido poeta, hoje as drogas estão em cada esquina a espreita do primeiro distraído que passar. Essa pessoa pode ser nosso amigo, nossos filhos. E diante desse problema nos sentimos incapazes, o que fazer para ajudar, na maioria das vezes realmente nem chegamos a abrir a porta...Lindo texto...Beijocas

Marcello disse...

Ari,
Que texto mais emocionante,me vi na soleira da porta vendo meu melhor amigo totalmente fragilizado, vencido e talvez pessoalmente tivesse a mesma reação que a do seu texto, não iria conseguir vencer os obstáculos para ajudá-lo.

Ótimo texto pra se pensar em NOSSAS reações.

Grande abraço e bom fim de semana.

ValériaC disse...

Ari querido poeta, você traduziu com perfeição, em versos, a tristeza com que nos deparamos, infelizmente em tantos casos pela vida.
Quem de nós não conheceu alguém, que acabou por se perder no vício...é triste demais amigo...muitas vezes nos sentimos com as mãos atadas.

Tenha um ótimo final de semana amigo!
Beijinhos...
Valéria

Dany Garcia disse...

olá, Ari, querido, passando para dizer que tem um selinho especial em meu blog pra vc.
Que texto incrível meu amigo, parabéns,emocionante e muito verdadeiro, um grande beijo no ♥