domingo, 1 de julho de 2012

UMA ALMA EM SOBREAVISO

Houve um tempo que tentei voltar, desistir...
Mas eu não sabia... o destino estava atrás de mim,
removendo o caminho,
destruindo as pontes, as referências, os retornos...
Quando olhei para traz encontrei um nada abismal,
não tinha como voltar sozinho,
além da solidão, do frio... e o vazio do regresso,
morreria ao meio do vendaval.
E fui apreendendo a apagar o passado,
mas... bom mesmo, e ao meio de tudo isso,
foi que, consegui colocar na minha bagagem:
Valores... de alguns, que comigo conviveram.
Coragem... de outros, que ao meu lado enfrentaram os temporais.
Valentia... de outros tantos, que me ensinaram nunca desistir,
e assim tem sido minha viagem.
Como não posso e nem consigo voltar,
fui apreendendo a morrer... todos os dias,
e renascer no alvorecer dos meus sonhos, em todas as manhãs,
nelas... sempre encontro um novo dia,
uma nova vida, um novo olhar.
E existir tem sido um acinte a teimosia, um passeio descomunal,
não desisto...
mesmo estremecendo diante da incerteza,
rompo às vezes o silêncio de mim mesmo e de forma visceral,
aprendi a me destemer,
sem se acabar, ou achar que vou morrer,
e assim... como desconheço o voltar,
tenho ido... um passo de cada vez, e sei que posso,
sim eu posso...
dentro de cada um, existe, “um” outro... que pode mais,
uma... outra alma em sobreaviso, em prontidão,
e eu acredito neste outro... que na verdade sou eu mesmo,
que me acalenta em madrugadas de aflição.
Houve um tempo que tentei desistir, voltar.
Mas eu não sabia... o destino só me deu uma direção... ir, caminhar.
Em vista disso, eu sei somente seguir... com todo o destemor.
Vou ao chão muitas, das vezes... e levanto...
Porque, o que busco nesta minha passagem... aqui,
é amor.

Ari Mota

5 comentários:

Denise disse...

A gente é a soma de tudo que viveu, e as marcas são apenas meios de lembrarmos tudo de bom ou todas as lições, os aprendizados...alguns passam pelo abismal, são descomunais, viscerais, e, não raro, provocam temporais...mas, se não dá pra voltar, muitas vezes nem se deveria, dá pra seguir, renascendo todos os dias. Vc encontrou o mapa da salvação...rsrs

Destemido, ousado e admirável amigo, uma ótima semana pra vc, abraço afetuoso!

claudete disse...

É Ari , renascer a cada dia, um novo olhar ,um novo aprendizado um caminhar evolutivo da alma que descobriu que nada supera o Amor em toda sua expressão máxima. Abração

Marilu disse...

Querido amigo e poeta, tenha um lindo final de semana. Beijocas

Cores da Vida... disse...

Meu querido e admirável amigo Ari, a vida é senão, lenha na fogueira. Cinzas que já renderam combustão, mas madeiras que, pelo mesmo processo, chegam para fortalecer o fogo. A diferença é que quando maior a intensidade do calor, mais fácil da madeira nova ser queimada. Podemos ter a sensação de repetição, mas é com maior facilidade que deixamos o nosso caminho livre de entulhos. Quando então, sentimos o ar da maturidade, donde apenas saboreamos o passado, para louvar o presente tão suado e conquistado. Mas muito seguro de si.
Um grande abraço, meu querido amigo e boa semana,

Dulce Braz disse...

O mesmo sopro que acende uma chama a pode apagar...
Que o amor e a coragem de viver prevaleçam em seus caminhos, Ari!
Abraço
Dulce Braz.