sábado, 16 de junho de 2012

A FORÇA DA ALMA

A vida é uma grande arte... e inacabada,
não tem como dar a última demão,
ela sempre terá que ser retocada.
E todas as vezes que o silencio anteceder a calmaria,
olhe para dentro...
abra o peito, arranque da alma toda a força,
equilibre-se em si mesmo, rompa todos os temores,
e prepare-se, um dia... inadvertidamente,
pode ser que você seja interrompido pelo barulho das ventanias.
E assim tem sido a minha vida, não será diferente da sua.
Portando... avigore a coragem,
no isolamento da noite, ou nos passos na rua.
Quando tirarem-lhe o chão e não ter aonde ir... nem ficar,
ainda lhe resta uma vicissitude... voar,
e isso é só para quem sonha, e sonhar é possuir asas invisíveis.
E depois... ria de si mesmo e recomece... tenha a avidez do recomeçar.
Quando a aridez do caminho lhe fizer companhia,
e a solidão lhe abraçar em agonia,
olhe para frente, levante o olhar.
Você é maior que todos os universos, maior que o infinito,
ouse no desafio... ao inusitado, nem que seja no grito.
E o que você precisa é uma correção de rumo,
uma trajetória mais lúdica... a vida tem que ser um prazer,
mesmo quando acabar o caminho e no intimo sentir-se... sozinho.
Existir é a arte de se refazer...
E tudo fica ínfimo, tênue: ganhar ou perder,
se tudo é uma ilusão... até perder-se em solidão.
Abra o peito, arranque da alma toda a força, e siga,
desapareça ao meio das ventanias, em busca dos sonhos.
Abra o peito, arranque da alma toda a força,
e se nela ficar vazios... e para não perder a ternura,
à preencha de alegria e brandura,
sem perder todas as outras grandezas:
um abraço, um beijo ardente, uma cama quente,
e o voar das borboletas, o bem-te-vi, o beija-flor,
mais se, contudo, nos reinícios... inda ficar vazios,
coloque na alma, mais...
amor.

Ari Mota

2 comentários:

Marilu disse...

Querido amigo e poeta, temos que nos reinventar todos os dias, não podemos cair na mesmice, afinal como você bem disse, não existe a possibilidade de darmos uma segunda mão. Lindo, forte, profundo. Beijocas

Cláudio Leite disse...

Meu amigo é um poeta ... Fala de coisas que os mortais comuns não conseguem expressar, apenas sentir.