quarta-feira, 31 de julho de 2013

A MINHA SAGA

Às vezes me encontro...
nas imensas cavernas, nas grutas internas... que tenho na alma.
Passo lá vez em quando... só para me abrigar,
ponho-me quieto, sei que é... onde, com o silêncio conspiro,
e com ele... das rudezas do cotidiano me... retiro,
e sereno recolho-me... em mansidão.
Quem me olha... vê um tímido em desamparo, parece olhar de solidão,
é que...  este é o meu único refugio, não consigo ir noutro lugar.
E tudo em mim... iniciou assim...
ao toque de um tambor... em torno, e ao lume de uma fogueira,
tive que acolher a rosa, o espinho, sem me intimidar com a roseira.
Mas, tudo isso é apenas um cerimonial... onde, me acho, me vejo,
e ao meu caminho... o destino sempre me reconduz.
Verdade é, que ali... viro pelo avesso a escuridão que me habita,
e descubro o rito de ser incomum e o atrevimento de não ser mais um,
e de encontrar com a própria luz.
Depois, olho para fora de mim...
Não conto os amores, só sei que tenho poucos... intensos, imensos,
e os tenho dentro do peito, da alma... sem ferida ou cicatriz.
E na tela branca, escrevo o que vivi, tentando ver além do que pretendo,
descrevendo as minhas escolhas, os meus descaminhos, e acertos,
e das coisas que tive que abandonar para ser feliz.
Serei sempre uma obra inacabada, em reforma,
estarei sempre construindo pontes, entre os meus desejos e sonhos.
E todos os dias... pela manhã, acendo a minha luz, e estico o meu passo,
tenho que andar muito, descobrir o que ainda não sei,
amar o que ainda não amei, abraçar o que ainda não... encontrei.
Às vezes me olho... com espanto,
tive a coragem de desistir da culpa e das desculpas,
dos medos e do passado, do apego e do pecado,
de achar que tinha limites, e que não posso mudar.
E esta reengenharia... me reconstrói, me coloca de pé... levanto.
Do que vivi, não encontrei nada a tirar... nem pôr.
Como não sei se estou pronto:
Só sei, que a minha saga é jamais perder o ritual do encontro,
o ritual do amor.


Ari Mota

Um comentário:

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Ler-te é ler a minha alma, sabes que adoro passar aqui, e gostei muito de te sentir no meu cantinho.

Um beijinho com carinho
Sonhadora